Regressão na Higiene natural ou recusa de penico

GREVE DE PENICO!! E agora? (texto original de 07/09/2017 publicado no Facebook)

Antes que alguém diga que está experimentando uma recusa de penico por parte do bebê que pratica Higiene Natural há meses, eu quero contar que isso é tão esperado que se você não estivesse passando, é porque iria passar a qualquer momento. Ou seja, esta é uma ótima dica para quem está começando se preparar para o que pode vir. Muitas mães já me falaram que seu bebê que sempre praticou HN numa boa, de repente perdeu o interesse de usar o penico e "preferiu" fazer cocô na fralda, preciso discordar veementemente. Isso vai contra o sentido biológico. Afinal, como acontece nas comunidades originárias? E as mulheres que vivem na natureza, nas margens e nas culturas da HN onde sequer tem Pampers ou água disponível para lavar fraldas de pano? Será que esses bebês andam a fazer xixi e cocô por toda parte? Geralmente somos nós, os adultos, nosso comportamento e nosso ambiente, que confundem bebês e crianças pequenas. Não podemos acreditar que uma "greve de penico" signifique: "-Eu desejo me sujar". Acredito que interpretamos mal este momento por conta da nossa cultura frenética e não importa o quão consciente pensamos que somos, prevalece em nós a moderna criatura do hábito e vamos girar nossas soluções e ideias em torno do que nossa cultura recente-familiar-regional nos diz. A grosso modo, pensando como uma família que pratica HN, as fraldas não são, nem devem ser o ponto de referência, são apenas suporte, no entanto, voltamos à dependência exclusiva delas quando estamos em crise ou impasse ou enfrentamos algum obstáculo por menor que seja. É ao que estamos condicionados, mas não é a natureza do modelo de tratamento das eliminações que escolhemos conscientemente. E aí está o problema, por causa das nossas noções modernas, diante das adversidades da HN, nós esquecemos que nossos bebês são criaturas primitivas e têm movimentos primitivos que fazem parte de uma sabedoria biológica. Acredito que a "greve de penico" pode ser apenas uma solicitação. Nós, em nossas mentes modernas e sempre ocupadas, ignoramos as tentativas de comunicação mais refinadas e nos frustramos porque acreditamos que elas não mais existem. E, ou estamos agindo tarde demais - muito em cima da hora, já no momento da força, por exemplo - ou estamos simplesmente deixando de agir. Nossa abordagem mais direta e na hora exata que fará a diferença para a captura dos cocôs desses seres tão inteligentes que são nossos bebês. Essa solicitação que me refiro, pode estar relacionada e muito provavelmente estará, a algum pico de crescimento ou salto do desenvolvimento, onde o bebê pode estar pedindo, por exemplo, mais independência, menos confusão e maior responsabilidade para si ou solicitando simples mudança de localização ou posição. Também é muito comum ocorrer a greve entre 7 e 12 meses no caso de bebês que iniciaram a HN cedo e também ocorre entre 12 e 17 – especialmente nos 15 meses que é uma fase de afirmação da autonomia (leia aqui: https://www.facebook.com/bebesemfralda/posts/1690530067646235). No lugar de simplesmente desistir é hora de assumir nova postura ou todo o empenho pela HN vai por água abaixo. Já cheguei a escutar que algumas famílias desistiram de praticar HN porque o bebê, na verdade, não queria fazer cocô na fralda de jeito nenhum e que por isso pretendiam reverter a prática da HN. Isso não faz sentido, ir contra o que faríamos instintivamente, porque estamos presos em uma cabeça moderna; Desacreditamos no que um bebê é capaz de fazer se ele for livre e não depender que o levem a algum lugar ou que lhe tirem mil camadas de roupa ou ainda que tenha que escalar um sanitário a dez pés do chão. Voltamos aí a visualizar um bebê primitivo que andaria nu e poderia chegar por conta própria a um buraco agradável no chão ou outro lugar fornecido para ele. E ainda, se um bebê primitivo fosse capaz de passar por uma "greve de buraco", sem dúvidas o tratamento seria dado por mais mãos que auxiliariam neste processo sem rotular nada nem ninguém. O contrário do que a HN moderna mostra quando nos aventuramos a praticar e todos a nossa volta dão contra e não contribuem para o seu sucesso. Precisamos lembrar que HN é como comer ou andar. Os bebês têm o instinto de fazer todas essas coisas. São processos que crescem e se desenvolvem junto com eles. Neste comparativo, quando um bebê dá seus primeiros passos e cai, ele de certa forma se ressabia e não tenta novamente por um tempo, nós, adultos e conscientes desse processo não chamamos de "pausa de caminhada", mas também não o forçamos a andar ou pensamos que ele perderá o interesse em se locomover ou simplesmente não andará mais, ao contrário, tomamos uma postura pró-ativa para proporcionar que o bebê volte a ter segurança, ajudamos o bebê se levantar, ficar em pé, fornecemos oportunidades e lugares para que se agarre e deixamos que ele nos guie no seu tempo, para que caminhe quando se sentir pronto. E assim, num dia o bebê necessita que seguremos a mão, no outro fica doido se ajudamos muito, no outro resmungará a oferta de apoio sem pergunta anterior e muito em breve o filhote volta a solicitar a mão para caminhar mais tranquilo. Claro, neste meio tempo, um gênio inventa o andador e, quando menos esperamos, toda uma geração pensa erroneamente que os bebês precisam de um para aprender a caminhar corretamente ou que ele serve para encorajar bebês que parecem perder o interesse em tomar medidas sem ajuda! Aí, anos depois vêm os estudos comprovando os malefícios de ordem física, emocional e anatômica do andador, mesmo assim, quantos bebês ainda não o usam? Um bebê tornando-se irritado sobre o penico pode estar apenas experimentando como faz para segurar mais tempo e não está tranquilo com certeza do limite, mas também pode estar querendo apenas mais autonomia e fazer mais por conta própria sem tanta ajuda. Talvez possamos ajudar só liberando as fraldas e as calças e saindo de cena, deixando eles em ambiente que poderiam evacuar em pé, por exemplo, brincando no Box do banheiro. Talvez o bebê precise apenas de privacidade, ou mais poderes, como o de usar o vaso da família. E, ainda, os acidentes ou greves podem estar relacionados a uma reconexão cerebral ou reestruturação do crescimento - não é diferente de estar grávida. Um dia você tem uma bexiga de aço, o próximo você está fazendo xixi a cada hora, no próximo você espirra e faz xixi, e um dia tudo volta ao normal (ou não rsrsrsrs). A principal diferença é que se você for uma barrigudinha e fizer xixi nas calças ninguém diz que você esqueceu como faz para ir ao banheiro e quer se sujar sozinha. A “greve de penico” na verdade não é negativa ou uma pausa efetiva. Esses momentos não são negativos ou pausas. Para ser uma pausa mesmo ou interrupção da prática da HN, vai depender exclusivamente dos cuidadores. É um tempo de aprendizagem, experimentação e autonomia para cuidadores e bebês. Precisamos confiar na sabedoria que o bebê possui de aprender a caminhar e a comer e a falar, bem assim, aprender os limites para a eliminação. Inevitavelmente, as greves de penico vão acontecer e elas não duram muito tempo se você manter o foco no atendimento e não na recusa. E vejam pelo lado bom, todos vocês que estão lendo agora não precisam, assim como eu, começar do zero sem conhecer ninguém próximo que pratique HN e sem ter leituras confiáveis em português, porque aqui encontram informação de qualidade que eu faço questão de compartilhar para desmistificar a HN e incentivar sua prática. Mas, eu preciso do seu apoio, da sua curtida, dos seus comentários, marcações e compartilhamentos. É importante neste momento de “greve de penico” que nós cuidadores, nos observemos mais e aumentemos o poder de percepção do comportamento do bebê. Por exemplo, será que não estamos oferecendo muito e seria bom esperar? Será que ao contrário não estou esperando muito pelo bebê e deveria ser mais pró-ativo? Esse olhar para dentro é bem importante, pois assim não focamos na desistência ou nos percalços e sim focamos nas soluções e na mudança de comportamento. Manter a pró-atividade de “retaguarda” nessa hora de greve é APENAS como segurar a mão para que o bebê caminhe e vá se soltando conforme se sentir seguro. Nós que temos que julgar se o bebê precisa de nós e o quanto ou se temos que recuar, lembrando que recuo não é desistência e para não desistir é sempre importante pensarmos o que faríamos se as fraldas não existissem. Ao mudarmos nossa visão, mudamos as opções de solução. Só fraldar e ignorar por completo as necessidades de evacuação não podem ser um caminho para quem decidiu conscientemente pela HN e saber que essas fases existem e que podemos passar por elas como passamos por todas as outras na criação consciente. Escuto sempre, meu filho não aceitou o penico com 13 meses e até hoje com 2 anos não aceita mais, sim, mas por onze longos meses você não tentou outra alternativa? Agora tem que começar do zero! Eu sei que é frustrante para os adultos envolvidos e com essa vida tão corrida e ocupada é mais fácil decidir por colocar as fraldas de volta e aguardar até que as coisas melhorem, no entanto, será sempre melhor continuar fazendo o que já foi feito até agora, com firmeza no propósito e a certeza de que é só uma fase. É preciso focar nas principais evacuações. Seu bebê só quer fazer cocô em pé? Forre com jornal uma parte da área de serviço e distraia o bebê por lá por um tempo. Assim que o cocô surgir, trate normalmente, dizendo, por exemplo: “-Opa, olha só o seu cocô, vamos jogar no vaso?!”... E levem junto, deem tchau... Talvez sair com o bebê para comprar um redutor de assento e um banquinho, talvez tornar o banheiro mais infantil, talvez dar outras alternativas, talvez voltar a olhar nos olhos do bebê no momento da evacuação, talvez se afastar. HN é também, antes de qualquer coisa, sentimento, vibração. A greve de penico não é uma falha e deve ser tolerada e encarada com carinho porque faz parte do processo de aprendizagem e estamos falando de bebês em rápido desenvolvimento, que descobrem outras atividades e não querem parar mesmo que estejam de bexiga bem cheia, por isso, talvez, muitas vezes recuse o penico ou vaso e em seguida faça xixi no chão. A criança também está aprendendo o limite da sua capacidade. Cabe a nós mantermos o diálogo e a comunicação, nos disponibilizando a ajudar: “-Filho, você está fazendo xixi, viu que a mamãe ofereceu? Você pode aproveitar e fazer junto com a mamãe no vaso, ou me avise antes e eu posso ajudar você!”, em tom calmo, tranquilo. Mais dicas para este período de greve? Simmmmmmmmm!!! - Tentar alguns locais diferentes (redutor de assento, espelho na frente do penico, vídeo na hora de sentar (caderno e canetinhas para quem não quer recorrer às telas), livro, ao ar livre, box do chuveiro, vaso de plantas, jornal no chão, etc.). - Tentar distrair a criança se perceber relutância falando coisas agradáveis ou que lhe chamem atenção para ficar ali no penico e então relaxar para evacuar (Olhaaaaa aqui a formiguinhaaaaa, nossa filho vem ver a borboletinha - enquanto já despe a criança). - Lembrar de levar os ursinhos e bichinhos no penico. - Envolver a criança neste processo de novas habilidades quanto ao uso do banheiro, que abaixe as calças, que sente, que se limpe, que levante as calças, abaixe a tampa do sanitário, que puxe a descarga, que lave as mãos usando sozinha o sabonete, que feche a torneira, seque as mãos, etc. tudo, obviamente, sob supervisão e auxílio. - Outra dica é "não falar", por exemplo, não questionem se a criança quer ir ao banheiro, ajam de forma a conduzir a criança, retirando a fralda, levando, distraindo... Nada de conversa anterior, perguntas: "vc quer fazer? vc quer?" nada disso, pois o bebê irá se recusar e em seguida fazer! ----------------------/////------------------------------ Gostou das dicas? Curta e compartilhe a página e as postagens de Bebê sem Fralda Brasil Higiene Natural! #bebesemfralda #eliminationcommunication #higienenatural #EC #HN #desfraldecomHN Quer ler mais e aprender mais? Apoie este projeto e adquira o primeiro livro digital do mundo sobre HN totalmente em português e com base em evidências científicas.




Quer trocar ideias com quem pratica? Entra no grupo do Facebook

Sente que precisa de uma consultoria exclusiva?



Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square